O imperdível Museu de Violeta Parra em Santiago do Chile

110

O imperdível Museu de Violeta Parra.

Não perca a oportunidade de conhecer a obra de uma das artistas chilenas mais relevantes da história do país. 

Violeta Parra é uma artista completa. Cantora, compositora, escultora, bordadeira, pintora, ceramista, colecionadora do patrimônio imaterial do campesinato chileno, Violeta é símbolo da luta do povo latino americano por fazer prevalecer a memória, e por dar identidade a um canto que, até que ela surgisse, ainda não tinha nome.

O Chile deve muito a essa mulher que percorreu o mundo, com essas terras compridas e estreitas nas suas mãos e sua voz, e por isso, em 04 de outubro de 2015, o país abriu as portas do primeiro museu dedicado à sua vida e obra.

WhatsApp Image 2019-04-30 at 02.35.39 (1)WhatsApp Image 2019-04-30 at 02.35.35 (1)

Para que uma viagem ao Chile seja completa, é imprescindível uma visita a esse museu. Na verdade, acredito que seja um erro chamá-lo museu, porque a obra de Violeta é viva e atual, uma obra que continua crescendo e que acontece hoje, com uma relevância incomum.

No sentimento de todos os chilenos, canções como “Gracias a la vida” ou “Volver a los diecisiete” continuam a ser escritas cada vez que são cantadas e, nas suas arpilleras, ainda vemos o Chile do campo e das populações mais pobres.

WhatsApp Image 2019-04-30 at 02.35.38WhatsApp Image 2019-04-30 at 02.35.36

Neste espaço dedicado à sua vida, cuja entrada é gratuita, você irá encontrar mais de 1.300m2 dedicados à sua vida agitada. Logo que entramos, começamos a escutar sua voz e seu violão.

Um longo corredor iluminado nos leva à primeira parada, uma sala onde se exibe, em loop, um documentário realizado em 1965, pela jornalista Suiza Marie-Madeleine Brumagne, enquanto Violeta vivia em Genebra (recomendo assistir ao final, depois que tenha visto toda a mostra, sua duração não tem mais de 20 minutos).

WhatsApp Image 2019-04-30 at 02.35.39

Depois, a “Sala Humana”nos mostra obras de Violeta focada nas tradições populares e no mundo do campo. Podemos ver seus amigos, dançarinos de “cueca” (uma dança tradicional e popular chilena) e algumas representações do circo, que ela tanto gostava.

A “Sala Divina”, por sua vez, mostra outra dimensão de sua obra, ligada à religiosidade e à espiritualidade da época.

Nas duas salas podemos ver de perto sua refinada técnica de bordado, através de suas arpilleras, suas obras de papel machê e algumas de suas pinturas a óleo.

São 23 obras no total, que nos falam da riqueza e complexidade do seu mundo interior.

WhatsApp Image 2019-04-30 at 02.35.36 (1)WhatsApp Image 2019-04-30 at 02.35.34 (1)

Apesar de não se tratar de um grande conjunto de obras, o que você verá lhe dará uma ideia clara do porquê Violeta Parra ter sido a primeira artista latino americana a expor no Museu de Artes Decorativas, do Museu do Louvre. “Isso parece um sonho”, declarou ela logo antes da inauguração, em 08 de abril de 1964.

E esse sonho se fará tangível, através do material inédito, como fotografias originais da inauguração, o folheto oficial da mostra e os tickets de entrada que estão aqui em exposição.

Se você continuar explorando as vitrines encontrará o que, com certeza, foi o que mais me comoveu: o manuscrito da canção “Gracias a la vida”, assinado por ela, cheio de manchas e correções. Porque, quem sabe, a vida de Violeta tenha sido isso… uma canção imortal, mas imperfeita.

WhatsApp Image 2019-04-30 at 02.35.35

WhatsApp Image 2019-04-30 at 02.35.37 (1)WhatsApp Image 2019-04-30 at 02.35.37

Como chegar: Vicuña Mackenna 37, Santiago. Estação Baquedano, Linha 1 do metrô

Horário: Terças e Sextas de 9:30h às 18h / Sábados e Domingos de 11h às 18h.

Preço: chilenos e estrangeiros residentes: Gratuito. Estrangeiros turistas: 3.000 CLP por pessoa. 

Mais informações: http://museovioletaparra.cl/

2 COMENTÁRIOS

  1. Olá! Estive recentemente no Chile, e reservei dois dias para conhecer os museus, e tive oportunidade de visitar o Museu Violeta Parra, e embora em todos os sites conste a informação que a entrada é gratuita, não é mais! Paguei CLP $ 3000,00, estudantes pagam meia. Independente do fato, o Museu é muito interessante e a arquitetura muito moderna.

    • Olá Renata! Tudo bem? Acabei de ligar ao Museu, e eles me explicaram que somente os chilenos ou os estrangeiros com residência podem aceder gratuitamente ao Museo. Os estrangeiros turistas devem pagar 3.000 clp por pessoa. Muito obrigado pelo comentário!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.