O restaurante Como Agua para Chocolate em Santiago!

Se existe uma premissa gastronômica imperdível dentro da informação com que os turistas brasileiros chegam ao Chile, é a de visitar o restaurante Como Agua para Chocolate em Santiago. Atendendo a esse interesse, decidimos fazer parte da experiência culinária que oferece este restaurante em Santiago e entender porque se transformou em uma parada obrigada de todo visitante brasileiro.

Chegamos ao local no bairro Bellavista e percebemos que desde o começo o restaurante se impõe por sua presença. De suas janelas, a cálida luz alaranjada que irradia para o exterior não só indica que tudo está pronto para nos receber, mas também promete fazer com que o frio do Outono fique para atrás. Chegamos um pouco antes das oito da noite, com uma reserva prévia porque é praticamente impossível encontrar uma mesa disponível se pulam este passo. Isso nos permitiu conhecer a Lilian, dona e criadora do “Como Agua para Chocolate”; uma mulher receptiva e encantadora, que não duvidou em abandonar o que estava fazendo para nos convidar a sentar e contar sobre o restaurante em Santiago e do importante que é para ela receber diariamente esta vasta quantidade de compatriotas. As palavras de Lilian são apoiadas por aquilo que nos rodeia, porque desde a entrada o Como Agua para Chocolate fala de individualidade e dedicação, da busca de instaurar um conceito dentro do circuito gastronômico. Uma alta cama de ferro branca e com pétalas de rosas é utilizada como mesa. No centro, a decoração nos instala em um cenário fictício: uma praça de algum povoado perdido, uma atmosfera antiga que fala através de uma fonte de água e de um poste de luz aceso.

A comida do restaurante Como Agua para Chocolate em Santiago

Para começar, e como estávamos motorizados, decidimos nos concentrar nos coquetéis sem álcool que o menu nos oferecia. Optamos pelo “Quinceañera”, uma mistura de soda, granadina e menta, e um “Mojito” consistente em soda, limão, yerba-buena e menta, ambos muito frescos e sem o enjoativo sabor típico dos drinks sem álcool, excessivamente açucarados. Como cortesia da casa, um pão de azeitona com um molho de coentro, vinho branco, cebola e alho nos começa a preparar para os sabores que seguirão. O sugestivo do menu, muito descritivo e escrito em espanhol e português, nos obriga a pedir rapidamente os pratos principais. Finalmente optamos pelo “Atún Criollo” (22 USD), preparação que, pelas necessidades de cocção do atum requer de uma boa dose de expertise do chefe, e o “Filete vigor y pasión” (22 USD).

Os pratos chegaram na mesa muito mais rápido do que o esperado, fumegante e expelindo cheiros espirituosos. O atum, rusticamente apresentado em recipiente de barro, era generoso e colorido, uma deliciosa mistura de ocres e amarelos. O importante é que tudo aquilo que foi visto pelos olhos, foi alegremente retificado na boca. O gratinado de milho depositado em uma pequena vasilha de barro, outorgava ao prato um tímido toque doce muito bem potenciado pelos tomates ao romeiro que entregava a acidez necessária para o equilíbrio do prato. Por outro lado, o filé estava cozido ao ponto tal como solicitado, abraçado por um pedaço de bacon suculento que na boca se misturava harmoniosamente com o molho de queijo. As verduras salteadas agregavam riqueza cromática ademais de impor frescura e leveza, fazendo da degustação do prato uma experiência proporcionada nos seus sabores.

Com a boa carta de sobremesa do restaurante de Santiago, a escolha foi difícil, mas finalmente nós decidimos pelo “Como agua para chocolate” trilogia de chocolates belgas em molho de framboesa (10 USD) e uma “Crema de los dioses” (10 USD), muito similar a um pudim de leite com maior consistência. Ambos assumiram com honra a responsabilidade de dar um fechamento com chave de ouro, delicadamente apresentados e com ingredientes ligeiros e delicados, sem a clássica sensação espessa que deixam na boca algumas sobremesas achocolatadas.

Tudo isso, complementado por uma cozinha rápida e delicada, e a atenção diligente de Quérson, o garçom a cargo da nossa mesa, que com grande amabilidade e preocupação atendia nossas solicitações e perguntas. Sem dúvida, além da capacidade na preparação dos pratos, do gostoso resultado que chega na mesa, existe algo neste restaurante em Santiago que não é traduzível em um texto, algo que se sente no ar que o ocupa, que se percebe nos vapores dos pratos, no calor dos elementos que o conformam; algo parecido ao que se sente ao sentar-se na mesa de domingo da família ou ao voltar, depois de anos, a degustar algum prato esquecido da infância. Alguns dizem que é o carinho nas mãos de quem cozinha e de quem serve, outros identidade, paixão. Nós, desta vez, o chamaremos de entrega: a necessidade de colocar em um prato aquela firme convicção do espirito, de que comer é um ato transcendente, evocativo, sensorial e cativante.

Reservas:  +56227778740 / ligando do telefone do hotel 227778740

Endereço do restaurante Como Agua para Chocolate em Santiago:  Constitución 88, Barrio Bellavista- Santiago de Chile.

Site: http://www.comoaguaparachocolate.cl/

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.